Cantinho Geek

18 janeiro, 2019

[Filme] Glass - ALERTA DE SPOILER
janeiro 18, 20190 Comentários

Esta resenha contém spoilers. Caso queira ler a resenha sem spoilers, clique aqui.

Depois de uma longa espera a continuação de Corpo fechado e Fragmentado foi lançado, o filme Glass teve sua estreia no Brasil no dia 17/01/19.

O filme destina-se a ser a terceira parte da trilogia Eastrail 177. Glass é um filme americano escrito, co-produzido e dirigido por M. Night Shyamalan.

Os três principais atores do filme dispensam comentários, são simplesmente fenomenais. James McAvoy fazendo o papel de Kevin Wendell Crumb, Samuel L. Jackson atuando como Elijah Price e por fim Bruce Willis como David Dunn.

Elijah e David são do primeiro filme lançado da trilogia Corpo fechado, e Kevin é do filme fragmentado. Eles são mesmo heróis ou são apenas humanos?
[Filme] Glass (Vidro)  - o encerramento da trilogia
janeiro 18, 20190 Comentários

Olá geeks, tudo bem?

Este post é para quem quer ver a resenha do filme Glass, mas sem receber os temidos spoilers. Não sei se todos sabem, mas Glass é o final de uma trilogia que começou nos anos 2000 com Corpo Fechado. Em 2017 foi lançado a sequência dele com o filme Fragmentado. Cada filme foca em um dos três personagens principais: David, Kevin e Elijah . No entanto, apenas no final de Fragmentado é que o expectador fica sabendo que se trata de uma sequência ao vermos David no final do filme dando uma informação para uma mulher sobre o nome de um cara que tinha ossos de vidro, o Senhor Vidro.

16 janeiro, 2019

[Filme] Parque do Inferno
janeiro 16, 2019 4 Comentários
Fala galera! Estou de volta e hoje trago a review do filme Parque do Inferno. Estava muito empolgado para assistir esse longa. Além do fato de gostar muito de slasher movies, o trailer prometia muito e ainda tinha a presença de uma atriz que eu gosto muito, Bex Taylor-Klaus (Scream). Pois bem, finalmente consegui assistir e o que achei vocês vão conferir agora! Na história, Natalie (Amy Forsyth), uma universitária, veio visitar sua melhor amiga de infância, Brooke (Reign Edwards) e sua colega de quarto, Taylor (Bex Taylor-Klaus). Como é Halloween, elas e seus namorados e no caso de Natalie, seu crush, resolvem ir para o Hell Fest - um parque temático de terror que viaja pelo país e chegou na cidade (tipo um Noites do Terror do Playcenter ou Hora do Horror do Hopi Hari). Só que nesse lugar, um serial killer vê a oportunidade de matar sem chamar muita atenção.


Do começo do filme até o meio, tudo é até bem convincente, com aquele clima de tensão e situações plausíveis. Do meio em diante, alguns clichês e situações forçadas acontecem e no final tudo parece muito jogado e corrido, com algumas escolhas bem absurdas. Se bem que não podemos negar que os personagens representam todos os clichês do gênero: a mocinha boazinha, o rapaz gentil que gosta dela, o casal infantilóide e excessivamente cool, a melhor amiga...


Tem algumas situações inverossímeis? Muitas: a melhor amiga deixar a protagonista sozinha, mesmo sabendo que ela está sendo perseguida; personagens que somem e seus amigos não ligam muito para isso; um banheiro feminino de um parque lotado de gente totalmente vazio; o celular que só vai ter sinal quando o vilão não estiver por perto. Mas a pior cena é quando todos no parque estão fugindo do killer, (porque ele resolveu matar em público numa das piores mortes do filme, onde uma delas foi completamente ignorada pelos personagens) e as mocinhas em vez de correr para fora, resolvem entrar numa “casa do horror” do para fugir dele!


Apesar disso, o filme tem algumas mortes criativas e violentas. É legal também o quanto ele brinca com o real e o falso no parque (“Olhe para as mãos se quiser diferenciar as pessoas dos bonecos”) e com a questão das máscaras. Máscaras duplicadas, máscaras alteradas, máscara sobre máscara e uma ótima cena onde os personagens também tem às suas próprias máscaras. É um filme mediano. Esperava muito mais e eles poderiam ter utilizado melhor todas as possibilidades que o Hell Fest oferecia.


E você, assistiu? O que achou? Conta pra gente nos comentários!



Por: Rodrigo Fonseca
Siga-me no Instagram e acompanhe minha Fan Page

15 janeiro, 2019

[Série] Titãs
janeiro 15, 2019 2 Comentários

Olá geeks, tudo bem?

Titãs é a série que estreou recentemente na Netflix, mas que já está bombando. Se você gosta de super heróis essa série é para você. Titãs é uma série baseada na HQ dos Jovens Titãs, quem lembra daquela animação? Pois bem, lembrou? Agora esquece. Isso mesmo, esquece. A série tem uma pegada bem mais adulta e sombria do que aquela colorida e infantil das animações, há sangue, heróis se pegando e baitas sustos com a Ravena.


Aqui a Ravena se chama Rachel, a Esterlar é Kory, o Robin é Dick e o Mutano se chama Gar. Na série, a nossa querida Ravena (ainda não me acostumei com Rachel) ainda está aprendendo sobre seus poderes sombrios e fugindo do seu pai. A Estelar acorda no meio do nada sem saber quem é, apenas que seu nome é Kory - pois foi o que ela viu em uma identidade - e que ela procura pela Ravena. O Robin é policial e se distanciou do Batman, já o Mutano encontramos ele ao longo dos episódios.


A história central se passa com a Ravena, pois o pai dela e seus seguidores tenta a todo momento capturá-la. Sua mãe é assassinada e ela foge, assim acaba encontrando o nosso querido Robin e a nossa turma toda vai se encontrando em determinados momentos e formando uma equipe.

Os personagens são muito bem construídos e eu adorei todos! A atriz que interpreta a Estelar é magnífica e posso dizer que roubou muito as cenas. Nossos queridos heróis passam por muitos problemas internos, cada um tem seus monstros para lutar, mas eles tentam dar o melhor de si.


Eu e o Keslley assistimos a série em dois dias, e já adiando que no episódio final tem uma cena pós-crédito. Estou bastante ansiosa para a segunda temporada. Os efeitos especiais não são lá essas coisas, mas também não é ruim. É aceitável. Não quero falar muito sobre a história para não tirar o gostinho, mas cada episódio foi uma boa surpresa. As lutas são surpreendentes!

Quem aí assistiu? O que acharam?



11 janeiro, 2019

[Resenha/HQ] Imaginário Coletivo - Wesley Rodrigues
janeiro 11, 20190 Comentários

Essa obra realmente me surpreendeu, uma obra muito linda no quesito visual e também com um texto que faz você viajar e refletir bastante.

A HQ Imaginário Coletivo do autor Wesley Rodrigues foi publicada pela Darkside, todos nos já conhecemos o quão TOP é essa editora, e o CG agradece bastante por terem nos mandado essa HQ maravilhosa. A obra tem 472 páginas de pura ilustração e reflexão.

O projeto gráfico é um quesito inquestionável, uma capa muito bonita feita a partir das ilustrações do autor e a guarda é bem fofinha cheia de bolinhas. A parte em texto ficou bem distribuída dentro da história, um projeto muito bem diagramado. Vale lembrar que o Wesley se formou na Faculdade de Artes Visuais da UFG no curso de Design Gráfico, não sei se ele acompanhou o projeto de perto porém ficou realmente maravilhoso. 

Eu também me formei na UFG, então me sinto honrado em poder estar falando um pouco sobre um projeto de um pupilo que surgiu também do Cerrado. Eu já havia acompanhado os projetos de animação do autor, até acabei o conhecendo em um evento de cultura pop em Goiânia, não me lembro bem o ano porém trocamos uma ideia por lá.


A história começa com a criação do nosso universo através de uma singularidade, para quem não sabe o que é singularidade da uma lida na resenha anterior que eu fiz sobre a história do universo.

É engraçado ver como o autor mescla religião e ciência, já que há muitas controversas, logo em seguida vemos um local aonde se distribui senhas para almas nascerem no planeta, essas almas vão para o planeta através de portas e você pode escolher entre algumas formas de vida animal. 


O problema da história surge quando uma alma que pegou a senha do animal "VACA" decide que quer ser um pássaro, os distribuidores das senhas e organizadores da fila falam para a Sra. Vaca que ela não tem mais direito de escolha, afinal, somente os seres humanos tinham o direito de escolha e livre arbítrio.

Uma das coisas que nos fazem pensar é a nossa liberdade de escolha, ela é algo muito bom porém, por outro lado, as vezes dificulta a nossa vida pois ficamos perdidos pelo caminho por não conseguir escolher qual o melhor rumo a seguir.

Essa vaquinha que quer ser um pássaro toma uma decisão e se joga na porta dos pássaros, é então que um camponês a acha, ela bem miúda tinha o formato de uma vaquinha, mas do tamanho de um pequeno filhote de pássaro. O homem que a achou era um senhor garimpeiro e camponês bem humilde. Percebendo que a vaquinha estava com fome decide usar escondido a vaca do vizinho para alimentar o seu novo bebê, só que ele não sabia que ela era tão esfomeada e com apenas algumas sugadas deixou a pobre vaca do vizinho como um tapete de chão.


A vaca começa a crescer desfreadamente e o pequeno senhor continua na sua luta diária, ele trabalha em um garimpo onde os funcionários são quase que escravizados por um Rei totalmente ganancioso e que quer todo o ouro do planeta para ele.

A vaca um dia estava em cima da casa, se jogou e por sorte o senhor e sua senhora a pegaram antes de que se esborrachasse no chão, isso me fez lembrar de algumas decisões que tomamos aonde sabemos que aquilo tem 90% de dar errado e mesmo assim a gente tenta a sorte. 

Porém pensar que a vaca cometeu um erro em tentar voar é algo vago porque ela só esta tentando seguir o seu sonho mesmo ele sendo quase impossível, ai já entramos em outro paradigma o que é impossível para quem realmente quer conseguir alcançar algum objetivo?


O rei me tirou do sério várias vezes. A sua ganância era tanta que pisava em tudo e em todos pelo seu ouro. A vaca do Camponês conseguiu voar um dia e também deu a luz a alguns filhotes a partir de uma árvore, não me pergunte como mais foi assim hehehe. Ele aproveitou que a vaquinha estava com leite e o coletou para vender na cidade, porém percebeu que o leite tinha um componente especial, não vou dizer o que aconteceu com quem bebeu do leite porém vocês ficariam chocados viu!

Porém a vaca foi ficando cada vez mais faminta, ela começou a destruir tudo a sua volta e quando perceberam já era tarde, tudo já estava aos ares, o camponês não sabia como deter a faminta vaquinha.


O universo é vasto e cheio de coisas novas basta ter uma imaginação aberta para viajar e se transformar no que você desejar, eu espero que você que veio lendo até aqui consiga alcançar todos os seus sonhos e que sua imaginação leve você longe, afinal, uma vida sem sonhos é muito sem graça.

Eu espero que tenha conseguido alcançar a curiosidade na cabecinha de cada leitor para que vocês possam ver essa linda HQ e que ela acabe trazendo uma percepção bem pessoal para cada um que venha a ler. Então depois que vocês lerem venham aqui me contar qual foi sua percepção.

Espero que vocês tenham gostado e deixo aqui uma frase que veio na minha mente enquanto eu lia essa história: Sua imaginação é capaz de tudo.

Até a próxima um beijo para todos vocês Geek's, e não se esqueçam de compartilhar com seus amigos em!! 

Avaliação:
5/5

Compre o seu exemplar na Amazon:
https://amzn.to/2sn00Po

10 janeiro, 2019

[Resenha] Bruto e apaixonado - Janice Diniz
janeiro 10, 20190 Comentários

Bruto e apaixonado é um livro nacional da autora Janice Diniz que foi publicado pela editora Harlequin e eu pude conhecer pessoalmente a autora junto com a Sue Hecker em um evento de autógrafos que teve em Goiânia. Infelizmente, nessa época eu ainda não tinha o seu livro de lançamento Bruto e apaixonado para autografar.

Confesso que não sou chegada a cowboys, sertanejo ou rodeio. Mas como se tratava de um romance hot e com um tema que eu ainda não tinha me aventurado, resolvi ler e ver como era. A leitura é muito agradável, os cowboys ainda não me impressionam e não me chamam nenhum pouco a atenção (desculpe, cabritas, mas não rolou), mas eu gostei bastante de acompanhar a história de Mário e Natália.


Mário mora em um vilarejo de seis mil habitantes chamado Santo Cristo, acontece que a cidade vive em torno de uma fábrica de parafusos que acabou de ser vendida e cabeças vão rolar, digo, demissões em massa vão rolar. Porém o povo - pacato - tem medo da mudança e quer que a empresa TWA - que comprou a fábrica - se mande dali.

Natália é filha do CEO da TWA, mas o pai não dá nenhum crédito a filha e ela acaba indo a Santo Cristo para fazer as demissões querendo demonstrar que dá conta do recado. Só que o pessoal está muito hostil e planejam fazer de tudo para que ela vá embora da cidade. Assim, antes de Natália chegar, os moradores fazem uma reunião para decidir o que fazer a respeito e pedem a ajuda de Mário Lancaster, pois sua família é antiga e muito bem vista ali.


Mário não se importa com o que está acontecendo, mas para que o povo largue de encher o seu saco, ele diz que vai ajudar se for mulher. Ele falou da boca para fora e o povo acreditou. Quando Natália chega, a primeira coisa que o dono do hotel faz é ligar para Mário avisando que ela chegou, claro que ele não quer ir, mas ao ver uma foto dela se sente instantaneamente apaixonado e resolve ir até lá.

Sendo uma empresária que mora em São Paulo, Natália nota que Santo Cristo é o fim do mundo, com nada a ser feito. Ela conhece Mário quando ele vai até o hotel e ele ajuda a lhe informar onde tem o sinal de celular. Essas cenas são muito engraçadas, pois Natália não está com um pingo de paciência para lidar com a cidadezinha e nem com os "roceiros".

No fim, Mário conta que Natália corre risco pois a cidade quer a cabeça dela, e ele irá ajudá-la. Após notar que o relato é verdade e ser expulsa do hotel onde estava, Natália resolve acreditar e confiar em Mário e passa a ficar na casa dele por uma semana até ela resolver as pendências na fábrica.


A tensão sexual que rola entre eles é nítida. Desde o primeiro olhar eles já queriam se pegar, mas Natália dava um fora a cada investida do cowboy. Me afeiçoei aos dois, gostei do jeito de Natália e um pouco do jeito bruto do Mário.

O livro tem algumas situações que eu estranhei, aconteceu tudo muito rápido entre eles, e achei até que algumas atitudes eram contraditórias, mas nada que estragasse a leitura. As cenas hot são bem cruas, então se você se incomoda com palavras pesadas acredito que ficará com um pé atrás neste livro, mas não se preocupe, pois são poucas as cenas de sexo.

Bruto e apaixonado realmente é um livro voltado para o público que gosta da questão de rodeios e de um bom macho que sabe lidar com um touro na arena. Uma a leitura bem divertida e rápida.



Avaliação:
3/5

Compre o livro físico na Amazon: https://amzn.to/2SMknki
Compre o e-book: https://amzn.to/2RhkPL1


08 janeiro, 2019

[RESENHA] A história do Universo para quem tem pressa - COLIN STUART
janeiro 08, 20190 Comentários


Este livro da Valentina é mais um da coleção "Para quem tem pressa", eu pessoalmente venho gostando bastante da coleção, venho aprendendo muitas coisas que as vezes ficava com preguiça de acompanhar por questões de serem muito complicadas.

A diagramação do livro é bem legal, poucas hifenizações o que deixa a estética ainda mais bonita. A capa também é muito bonita, apesar de conter vários elementos acredito que o designer conseguiu fazer uma boa distribuição dos mesmos. O livro é feito em páginas brancas porém a fonte facilita a leitura já que a mesma tem uma boa legibilidade. 

A escrita do autor é bem tranquila então mesmo o livro tratando de assuntos complicados os mesmos acabaram sendo fáceis de assimilar. 


Vamos então para a resenha!

O autor começa a história no capítulo 1 brincando com o leitor já que a física contradiz boa parte das crenças religiosas. Ele diz o seguinte: "Muito antes de o céu ser um lugar cheio de planetas, galáxias e buracos negros, ele era o reino de deuses e maus agouros". 

Porém logo em seguida ele já deixa claro que a principal função na verdade do céu é ser um relógio natural.

Ele também fala sobre o analema que é o desenho que o sol faz no céu após nascer 365 vezes.


Você sabia que aquele famoso círculo de pedras na Inglaterra chamado de Stonehenge era utilizado para fins astrônomos, lógico que naquela época as coisas não eram tão avançadas porém a população já utilizavam de tecnologias para descobrir em qual período lunar estariam. 


Vocês sabiam que o tamanho da terra foi descoberto por um cara a quase 2 mil anos, esse cara se chamava Eratóstenes, esse senhor descobriu não só que a terra não era plana mais também aproximadamente o seu tamanho sem sequer ter saído do Egito. 

Uma das partes fascinantes do livro são os acontecimentos naturais, um exemplo os eclipses, o livro te faz querer pesquisar e ver como é essas coisas que ele cita, e então em grande parte da minha leitura eu fiz em frente a um computador assistindo a diversos acontecimentos naturais fantásticos. 


Uma das coisas legais também citadas no livro são as constelações, hoje os astrônomos já reconhecem oficialmente 88 delas, grande parte das constelações do hemisfério norte é um legado dos mitos gregos e romanos, porém as do sul foi imaginada pelos exploradores europeus.
Algumas constelações famosas são o famoso cavalo alado Pégaso e seu cavaleiro Perseu. Para quem não assistiu Cavaleiros do Zodíaco fica ai já a dica para conhecer um pouco mais sobre.

Você ai que ta lendo, qual é o seu signo? O meu é escorpião. 
Você sabia que o seu signo corresponde a cada ciclo lunar durante o ano? Sim é isso mesmo, isso foi determinado pelos babilônios que dividiram a eclíptica em 12 constelações os famosos signos do zodíaco.



Alguns dizem que essas constelações interferem na nossa vida, e grande parte dessas interferências seriam emocionais. Porém os cientistas em contra partida acredita que são apenas esferas de gás superaquecidas muito distantes de nós. 

Em 1530 um sábio chamado Giordano Bruno argumentou que a Terra não era o centro de tudo e que a mesma girava em torno do Sol, e que talvez até haveriam outros seres vivos no universo, e advinha o que a igreja fez com ele por conta dessas histórias, o queimou vivo, porque para a igreja isso não passava de uma heresia, Giordano foi queimado em 1600.

Você já teve vontade de usar um telescópio para olhar os planetas? Bom, eu sim, porém ainda não tive essa oportunidade, o primeiro telescópio foi criado em 1608 e já era capaz de ampliar os corpos observados em até 30x. 

Galileu Galilei foi o criador do telescópio que em 1608 já conseguia ampliar os corpos a 30x, porém por conta de outras pesquisas e descobertas a igreja o condenou por heresia e o mesmo teve que passar o resto de sua vida recluso em sua casa aonde escreveu vários escritos bastante importantes. Galileu foi perdoado pela igreja porém só em 1992. 

O livro também conta sobre as leis da física que até hoje são muito importantes pra gente, como a força da gravidade que foi criada por Isaac Newton ou a Teoria da relatividade de Einstein.

Eureca!

Bom galera essa resenha poderia ficar gigante e eu poderia falar tudo do livro porque eu realmente gostei da leitura, porém eu quero que vocês leiam então corre lá leia e me diz o que vocês acharam também, e o que mais te chamou atenção.


Vou deixar aqui para finalizar um vídeo do pouso da sonda curiosity em marte, que foi uma das coisas que mais me marcaram na leitura.



Espero que tenham gostado e não esqueça de compartilhar com seus amigos isso ajuda muito muito mesmo a gente. Até a próxima Geek's!

Capítulos do livro
Cáp 1 - A Astronomia em seus primórdios
Cáp 2 - O sol, a terra e alua
Cáp 3 - O sistema solar
Cáp 4 - As estrelas
Cáp 5 - As galáxias
Cáp 6 - O universo
Conclusão

5/5

18 dezembro, 2018

[Resenha] Flóris e Brancaflor
dezembro 18, 2018 2 Comentários

Sabe aqueles contos românticos que a gente ouve desde pequenos? Tipo, As mil e uma noites? Flóris e Brancaflor é do mesmo estilo, e sim, é árabe. O livro é uma adaptação de um poema anônimo medieval e contém lindas ilustrações da Thais Linhares.

O livro todo é narrado em como o casal estava destinado a ficar junto desde que nasceram e os desafios que tiveram que enfrentar para ficarem juntos. A narrativa é como se nossa mãe/pai estivesse lendo para gente e fazendo drama nas partes tensas para que ficássemos com o coração na mão torcendo para os mocinhos ficarem juntos.

A obra é curtíssima, como um conto deve ser, e possui lindas ilustrações, além de ser todo em preto e rosa. Os detalhes dão mais vividez ao conto e nos levam a uma leitura leve e romântica. O livro é tão curto que você poderá lê-lo em uma hora, mas a editora Hyria fez um lindo trabalho de diagramação.

No conto é possível emergir um pouco na cultura árabe que é tão diferente da nossa, e a na forma linda que eles contam as suas histórias de amor. Não quero me alongar muito para não estragar a prazerosa leitura, mas já fica aqui a minha grande recomendação.
                                                       
Avaliação
5/5